Câmara Municipal de Penela

Penela integra o projecto europeu ROSIA (H2020) focado na reabilitação remota de utentes para áreas isoladas

Penela integra o projecto europeu ROSIA (H2020) focado na reabilitação remota de utentes para áreas isoladas


ONLINE, 18-19 de Janeiro de 2021 - O lançamento do projecto ROSIA "Serviço de reabilitação remota para áreas isoladas" foi oficialmente marcado na semana passada num evento de arranque realizado online. Este projecto representa 12 parceiros em 5 países e é financiado pela UE com um montante de 5,5 milhões de euros.

O projecto ROSIA irá prestar um serviço abrangente aos doentes que necessitam de reabilitação, através de tecnologia de ponta, novos caminhos de cuidado e apoio comunitário.

Presidido pela Sandra García (Instituto Aragonés de Ciencias de la Salud, IACS), mais de 30 participantes partilharam as suas opiniões sobre o significado deste projecto na melhoria dos sistemas de saúde e de cuidados nas suas respectivas regiões. Sandra abriu a reunião afirmando que "seremos pioneiros dado actualmente não existir um sistema público de cuidados de saúde que tenha implementado uma reabilitação de autogestão apoiada em grande escala e facilitada por tecnologia de ponta. A nossa abordagem inovadora de co-desenho e desenvolvimento do modelo e vias integradas de tele-reabilitação, assegurará que o ROSIA promova a equidade na prestação de serviços sociais e de cuidados de saúde em toda a Europa".

Os sistemas de saúde e de cuidados na Europa enfrentam o desafio combinado de uma procura crescente, devido ao incremento de pessoas com condições crónicas, e de recursos limitados. Esta situação é intensificada em áreas despovoadas, onde existe frequentemente uma elevada concentração de idosos, e longas distâncias para aceder a alguns serviços de cuidados de saúde. A reabilitação é uma componente chave dos cuidados, tratamento e apoio a muitos doentes que vivem com patologias particulares, tais como doenças neurológicas, cardíacas, respiratórias e ortopédicas. Os doentes têm frequentemente de se deslocar a um centro especializado longe de suas casas para terem acesso a serviços de reabilitação e isto pode ser problemático para as pessoas (incluindo os cuidadores informais), especialmente as que têm mobilidade limitada, falta de mobilidade própria ou de acesso a transporte adequado. Se um doente necessita de assistência com transporte como uma ambulância, o inconveniente para o doente e a sua família é exacerbado com o resultado de que alguns não completam o programa de reabilitação e a sua recuperação é limitada, uma vez que são incapazes de transitar para a terapia de exercício complementar auto-dirigida que sustenta as melhorias de reabilitação.

O aparecimento de novas tecnologias disruptivas como a realidade virtual e aumentada, câmaras de profundidade, sensores, IoT, ou inteligência artificial, permitiu o desenvolvimento de dispositivos e aplicações capazes de acompanhar pessoas no seu processo de reabilitação, propondo exercícios em ambientes de jogo, supervisionando a sua execução, corrigindo e motivando o paciente. O ROSIA procura tirar o máximo partido destes desenvolvimentos em benefício dos pacientes, permitindo que mais pacientes recebam serviços de reabilitação e aumentem o período de reabilitação através da utilização extensiva destas tecnologias disruptivas juntamente com a supervisão e apoio dos membros da sua equipa de cuidados.

Claus Flemming Nielsen, CEO da PPCN, explicou que "ROSIA garantirá a cada paciente a privacidade dos seus próprios dados, ao mesmo tempo que traduzirá os valiosos dados em conhecimentos de valor acrescentado para melhorar a tomada de decisão partilhada, num ambiente ético, responsável e seguro".

ROSIA irá concentrar-se inicialmente em sete patologias: Lesão crónica da medula espinal, lesão cerebral adquirida, pneumologia, artroplastia, doença cardio-vascular, fractura da anca e COVID. Os serviços de reabilitação são uma componente central do percurso de cuidados, quando estes serviços são acompanhados de exercício moderado, os cuidados e resultados da experiência são aumentados juntamente com melhorias na qualidade e esperança de vida dos pacientes.

O projecto ROSIA pretende criar um catálogo de produtos e soluções de base tecnológica que podem ser recomendados para as patologias acima enunciadas. Actualmente existem muitas soluções digitais inovadoras que ainda não chegaram ao mercado, porque não existem formas eficientes que permitam a comercialização de tais produtos. Este catálogo será um dos componentes do ecossistema ROSIA e funciona de duas formas: disponibilizará inovações de alta tecnologia com evidências e impacto clínico positivo para os pacientes e abrirá oportunidades à indústria europeia para desenvolver uma estratégia GoToMarket.

A Professora Aine Carrol (NRH, Irlanda) salientou que "a tecnologia não é suficiente; é preciso compreender as necessidades das pessoas e a complexidade dos sistemas de saúde nacionais de modo a idealizar e desenvolver soluções que possam ser eficazes e capazes de ser escalonadas". Esta é a razão pela qual o projecto ROSIA tem quatro áreas de trabalho fundamentais: modelo integrado de cuidados de saúde para dar continuidade aos cuidados dos pacientes, dispositivos e serviços de alta tecnologia de reabilitação, melhoria da experiência dos pacientes e modelo de negócios sustentável.

ROSIA responde a uma necessidade actualmente não coberta pelas soluções existentes, com o objectivo futuro de escalar o mercado e, por conseguinte, utiliza uma abordagem de Parceria para a Inovação (Compra Pública para a aquisição de produtos ou serviços innovadores, equivalente ao Pré-Commercial Procurement regulamentado pela União Europeia). Este tipo de projecto estabelece e orienta um concurso de investigação e desenvolvimento entre 5 fornecedores seleccionados ao longo de 3 fases, sendo a última constituída pelos dois finalistas que validarão a solução integrada em ambiente real.

As três administrações públicas que investem no desenvolvimento da solução pela indústria e na validação são: Aragón (Salud) em Espanha, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra em Portugal, e o Hospital Nacional de Reabilitação na Irlanda. O projecto é coordenado pela IACS e apoiado por outras oito entidades com perfis complementares: VALDE (Espanha), Instituto Pedro Nunes (Portugal), The International Foundation for Integrated Care (The Netherlands), The Decision Group (The Netherlands), Instituto para la Experiencia del Paciente (Espanha), PPCN.xyz Aps (Dinamarca) e os Municípios de Penela e Soure (Portugal).

Os Municípios de Penela e de Soure estão envolvidos no apoio às atividades dos testes piloto no terreno, de forma a facilitar o apoio local à gestão, operação e intermediando as atividades de experimentação com os utentes.

O Alexandre Lourenço (CHUC) chamou a atenção para o facto de que "o modelo de telerreabilitação e a solução digital concebida, desenvolvida e testada no ROSIA deverá fornecer a base para que muitas mais pessoas, vivendo com condições crónicas, possam receber serviços de reabilitação no futuro".

ROSIA tem uma duração prevista de 54 meses, com início a 1 de janeiro de 2021 até agosto de 2025.



Data

03/02/2021

Categoria

Atualidade

Partilhar notícia